Após falhas em sistema, Ibaneis diz que subsecretaria substituirá o DFTrans

Por , em Notícias DF dia . Salvo na tag:

Sem falar em prazos, o governador pediu paciência aos usuários do sistema

Após enxurrada de críticas e de reclamações motivadas por falhas no sistema de bilhetagem, o governador Ibaneis Rocha (MDB) afirmou nesta segunda-feira (8/4) que extinguirá o Transporte Urbano do Distrito Federal (DFTrans). “Só tem dado trabalho e desrespeito à população. É uma central de corrupção”, justificou o emedebista, referindo-se a escândalos envolvendo a autarquia (Leia Memória).
Apesar de ser a primeira vez que Ibaneis diz que acabará com o órgão, o GDF já havia anunciado que o sistema de bilhetagem seria transferido para o Banco de Brasília (BRB), com o intuito de evitar e coibir fraudes. Na segunda-feira (8/4), Ibaneis explicou que será criada uma subsecretaria, para substituir completamente o DFTrans.
“Eu já estou com o processo bem avançado e vou levar toda a bilhetagem para o BRB. Então, o BRB está montando, com a parte de tecnologia, toda essa transferência. Acabou a transferência da bilhetagem, eu vou acabar com o DFTrans”, explicou o governador.
Pedro:
Pedro: “Estou sendo punido por batalhar pelos meus estudos”(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
A subsecretaria, de acordo com o governador, será responsável pelo setor de fiscalização e “resolverá plenamente a questão do DFTrans, que hoje só causa problema à comunidade”, garantiu o chefe do Executivo local. “Essa é a maneira de dar dignidade à população”, completou.
Sem falar em prazos, Ibaneis pediu paciência aos usuários do sistema. “Peço paciência à comunidade, peço desculpas, mas eu recebi o sistema nessa situação e vou levar um tempo para solucionar”, justificou. Segundo ele, o sistema é “tão confuso que até para fazer essa transferência é difícil”.
O Correio questionou a Secretaria de Mobilidade sobre o cronograma para a transferência, as alterações e o prazo para a conclusão do processo, mas, até o fechamento desta edição, não obteve respostas.

Problemas

Os usuários de transporte que tentaram passar o vale-transporte, na manhã de segunda-feira (8/4), foram surpreendidos por uma mensagem de saldo insuficiente. O jeito foi tirar o dinheiro do bolso para seguir viagem.
Funcionários do posto de atendimento do DFTrans da Rodoviária do Plano Piloto afirmaram, ainda pela manhã, que o bloqueio foi causado por uma falha no sistema. Mais tarde, no entanto, o órgão enviou nota oficial afirmando que a medida estava programada para coibir fraudes. “A diretoria do DFTrans está fazendo auditorias nos processos do órgão e um dos principais problemas levantados são as fraudes nos cartões do transporte público. Em fevereiro, o DFTrans comunicou, por e-mail, a cerca de 27 mil usuários, de que eles teriam os cartões bloqueados preventivamente por suspeita de uso irregular”, diz o texto. “O órgão estabeleceu um prazo para que esses usuários pudessem esclarecer a necessidade de usar o cartão além de seis acessos diários. Pouco mais de 250 usuários responderam a notificação.”
No entanto, devido ao tumulto, o órgão decidiu desbloquear os cartões e deu prazo de 10 dias para que os usuários atingidos regularizem a situação. As justificativas devem ser feitas presencialmente no DFTrans ou enviadas para o e-mail cadastro@dftrans.df.gov.br.
Porteiro e estudante de administração Pedro Henrique Alves, 21,lamentou que, pelo erro de pessoas que realmente fraudam o sistema, um grande número de usuários foi punido sem cometer qualquer irregularidade. Ele —  que pega em média seis ônibus por dia com integração e, em alguns casos, é obrigado a usar mais vezes para fazer trajeto para o trabalho e faculdade — teme perder o emprego por causa de atrasos. “Estou sendo punido por batalhar pelos meus estudos”, criticou. O trabalho, conta, é a forma que tem de pagar a faculdade.
Morador de Samambaia, o técnico de enfermagem Espedito Mathias, 49 anos, ficou horas na fila do DFTrans em busca de resolução para o problema. Saiu de lá apenas com uma declaração de presença para que tentasse justificar a ausência no emprego. “Foi tanto tempo para conseguir esse pedaço de papel que me atrasou ainda mais. Situação cansativa e humilhante”, reclamou.
Publicações Recomendadas