”É inconcebível”, diz Aurélio sobre investigação informal contra Toffoli

Ministro do STF, Marco Aurélio Mello reage à informação de que Dallagnol solicitou dados sobre uma suposta proximidade de Dias Toffoli com a OAS

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), fez duras críticas a uma investigação informal contra o presidente da Corte, Dias Toffoli, por procuradores da Lava-Jato.

O magistrado comentou as revelações feitas pelo site The Intercept, segundo o qual mensagens atribuídas a Deltan Dallagnol sugerem que o coordenador da força-tarefa da Lava-Jato no Paraná incentivou uma investigação contra o atual presidente do Supremo, Dias Toffoli.
Marco Aurélio chamou a postura de Dallagnol de inconcebível. “É inconcebível que um procurador da República de primeira instância busque investigar atividade desenvolvida por um ministro do Supremo”, disse.

Ministério Público

O ministro também lembrou que apenas o chefe do Ministério Publico Federal, cargo hoje ocupado por Raquel Dodge, teria poder para solicitar as informações. “Apenas o procurador-geral da República pode investigar os ministros do Supremo”, completou.

Questionado sobre o que fazer diante do caso, Marco Aurélio afirmou que o assunto deve ser avaliado pelo Conselho Nacional do Ministério Público, para que as devidas punições sejam realizadas, se for o caso.
Publicações Recomendadas