Moradores do DF criam movimento para defender área pública de lazer na orla do Lago Paranoá

Por , em Notícias DF dia . Salvo na tag: , ,

Grupo quer viabilizar projeto aprovado por Rollemberg que prevê ciclovia, restaurantes e até roda gigante na orla. Ibaneis disse que não pretende urbanizar área.

Após críticas do governador Ibaneis Rocha (MDB) à ocupação da orla do Lago Paranoá com uma estrutura que prevê de roda gigante até restaurantes e ciclovia – previstos em um projeto do ex-governador Rodrigo Rollemberg (PSB) – moradores e entidades do Distrito Federal se uniram para defender que a área seja transformada em um espaço público de lazer.

Intitulado Nosso Lago, o movimento será lançado nesta quinta-feira (9), às 19h, no Instituto dos Arquitetos de Brasília, Asa Sul. O grupo diz que pretende pressionar o GDF para que realize obras que ampliem as possibilidades de uso da área após a desocupação da orla que começou em agosto de 2015 e durou mais de 2 anos..

Trator da Novacap remove cerca de casa na margem do Lago Paranoá, em Brasília. A Governo do Distrito Federal iniciou hoje a derrubada de construções irregulares no lago. De acordo com o executivo a operação será feita em 3 etapas pode levar até 2 anos — Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Trator da Novacap remove cerca de casa na margem do Lago Paranoá, em Brasília. A Governo do Distrito Federal iniciou hoje a derrubada de construções irregulares no lago. De acordo com o executivo a operação será feita em 3 etapas pode levar até 2 anos — Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A derrubada de jardins e áreas de lazer particulares, criadas por moradores de uma das regiões mais nobres da capital, atendeu a uma decisão judicial transitada em julgado (quando não cabe mais recurso) de 2012. Na sentença, o DF foi condenado a promover a retirada de todas as construções feitas a menos de 30 metros das margens sul e norte do lago.

O Movimento Nosso Lago defende a implementação do Masterplan, um projeto aprovado pelo ex-governador Rodrigo Rollemberg, no ano passado. O projeto previa estruturas como praia artificial, ciclovia, restaurantes e até roda gigante na orla.

No entanto, o GDF ainda analisa se ele será efetivamente implementado.

Deck sendo construído na orla do Lago Paranoá — Foto: TV Globo/Reprodução

Deck sendo construído na orla do Lago Paranoá — Foto: TV Globo/Reprodução

Área pública

Segundo o movimento Nosso Lago, “a área é pública e, por lei, é garantido acesso a todos os moradores do Lago Sul e Norte, a todos que residem em outras regiões administrativas e aqueles que visitam Brasília”, afirmam.

O grupo alega que a orla “conta com um conjunto de decisões judiciais que dão sustentação jurídica para os próximos passos, conta com um projeto completo e estruturante chamado de Masterplan e com um financiamento em curso de mais de R$ 80 milhões […] Ou seja, basta o atual governo do Distrito Federal dar seguimento a todo o processo”.

“A implantação do projeto vai garantir que as áreas públicas às margens do Lago não voltem a ser ocupadas irregularmente”, diz o movimento.

Embate

A intenção do grupo, no entanto, esbarra na do governador Ibaneis Rocha. Em janeiro, ele afirmou que não pretende urbanizar a orla do lago e criticou a livre circulação de pessoas no local. Segundo Ibaneis, a área precisa ser preservada.

“Aquilo ali tem que ser preservado, não pode ser asfaltado, não pode ter gente circulando, porque isso traz sujeira para dentro do nosso lago”, afirmou à época.

Ibaneis durante solenidade do dia Internacional da Mulher. — Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

Ibaneis durante solenidade do dia Internacional da Mulher. — Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

No mês seguinte, o secretário responsável pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Mateus Oliveira, participou de uma audiência pública para discutir a questão. À época, ele afirmou que “o Masterplan representa o pontapé inicial, e não há obrigação de implementar o que lá está tal como proposto”.